quinta-feira, 28 de março de 2013

Os gatos, a espiritualidade e o que você tem com tudo isso

Eu amo gatos! Normalmente quem gosta de cachorros não gosta de gatos e vice-versa, acham que eles são metidos, imponentes demais, mas... No fim das contas as pessoas nem sabem exatamente por que odeiam gatos, afinal, o que os gatos fizeram? É mais fácil um cachorro fazer caca na sua casa... Gatos são muito limpos, não gostam de caca em qualquer lugar, são muito inteligentes, eu amo cachorro pessoal, não tenho preconceito nenhum com eles, cachorros são incríveis, na verdade os animais são incríveis mesmo, quado a gente cuida de um animal a gente se doa um pouco também, assim como eles se doam pra gente, animal faz parte da família e merece atenção e mimos e todas as melhores que você puder dar de coração!

Algumas vezes eu me pergunto... (E creio que você também) a respeito da espiritualidade dos animais... Acho incrível como alguns animais se sentem atraídos por nós, ou mesmo não gostam de nossa presença, animais são muito sensíveis, por isso acredito na filosofia que diz: "Não confie em pessoas que não gostam de animais e em pessoas que seus animais não gostem"; alguns nos atraem, outros não, e não digo no sentido estético, é claro, mas no sentido não-físico, eles são bons companheiros para um depressivo, um bom motivo para parar de fumar, são os olhos de deficientes visuais, salvam vidas no meio das geleiras, são absolutamente expressivos e sinceros e não há muito espaço para falar deles aqui exatamente como eles merecem, estão mais preparados para viver no nosso planeta do que nós, por isso, acho que deveríamos nos curvar diante deles!


Mas, voltando aos gatos... Gatos são realmente animais interessantes, acho que estão realmente ligados a espiritualidade, desde há muito eram venerados no Egito, e tiveram lá sua personificação na Deusa Bastet (ou Bast, Ubasti, Ba-en-Aset, Airulos), deusa da fertilidade e gravidez, era uma deusa solar, mas após os gregos chegarem ao Egito ela foi associada à deusa Ártemis e consequentemente à Lua, nos templos de Bastet eram criados gatos, que os egípcios acreditavam serem a encarnação da deusa, por isso os tratavam com enorme requinte e quando eles morriam era mumificados e colocados em locais especialmente feito pra eles, a adoração dos egípcios pelos gatos foi por que viram que eram perfeitos para combater os ratos que espalhavam doenças e detonavam suas plantações decretando-se então o animal como sagrado, as egípcias tetavam na maquiagem imitar o contorno dos olhos dos gatos que consideravam belos e imponentes, porém o amor dos egípcios pelos gatos levou a uma derrota no mínimo histórica: O comandante persa Cambises II ao saber da adoração dos egípcios pelos gatos usou gatos à frente de suas tropas como escudo ao enfrentar os egípcios! Os egípcios não ofereceram resistência. Se rederam aos persas pois não podiam matar um animal sagrado!




Na mitologia nórdica você encontra dois gatos puxadores da carruagem de Freya, a deusa do amor e fertilidade, os dois gatos eram representantes das qualidades da deusa: a ferocidade e a fertilidade, e muitos templos pagãos dessa região eram decorados com imagens de gatos




Uma lenda hebraica diz que os gatos foram criados dentro da arca de Noé, pois Noé preocupado com a grande quantidade e reprodução de ratos dentro da arca implorou a Deus por uma solução, então Deus fez o leão espirrar e do espirro saiu o felino doméstico que conhecemos hoje, existia uma lenda babilônica que tinha uma afirmação parecida; na Ásia os gatos foram venerados pelos primeiros budistas pela sua capacidade de concentração e alto-domínio semelhante à obtida por meio da meditação, na china antiga usavam-se estátuas de gato para afugentar os maus espíritos, e para eles existiam gatos bons e ruins, os ruins possuíam duas caldas, as lendas maometanas associam muito os gatos a Maomé, inclusive uma das lendas diz que gatos salvaram a vida do profeta quando cobras tentaram matá-lo; na cultura Celta os gatos se associam a Cerridwen por meio de seu filho Taliesin que segundo contam as lendas foi um gato em uma de suas encarnações, os celtas também acreditavam que os gatos eram reencarnações de seus entes queridos que vinham para nos aconselhar; algumas lendas finlandesas dizia que a alma dos mortos eram levadas por carruagens puxadas por gatos...

Dentro da cultura popular os gatos ganharam a fama de terem 7 vidas, isto se associaria à sua astúcia para escapar de atentados à sua vida ou segurança, na idade média no século XV o papa Inocêncio VIII incluiu gatos na lista de hereges perseguidos pelo Tribunal do Santo Ofício, então foram associados aos espíritos de  baixa índole e queimados junto com pessoas acusadas de bruxaria, assim na idade média foram muito maltratados, perseguidos, estripados por pessoas que acreditavam estarem ligados ao demônio, por isso os gatos de cor preta são associados ao terror e ao suspense, um exemplo de suspense é o conto de Edgar Allan Poe "O gato negro" onde o gato é acusado de todas as coisas sobrenaturais que acontecem na história.



Hoje em dia, sabemos que a aversão a estes animais não são mais tão evidentes, apesar dos gatos ainda serem vítimas de agressão junto à outros animais, o que continua sendo uma medida apelativa falar que esse tipo de coisa é inaceitável, mas claro, é evidente que tem que ser feita!

Os gatos quando abandonados se adaptam facilmente à vida selvagem, e os filhotes caçam em prol de sua sobrevivência, um gato de rua tem uma expectativa de vida de 3 anos, já gatos cuidados por humanos vivem mais de 20 anos, estudos inclusive dizem que pessoas que possuem gatos reduzem em 30% sua chance de morte por infarto pois o convívio com os bichanos traz tranquilidade, uma das causas de acidentes cardiovasculares.

Algumas pessoas acreditam que os gatos estão muito ligados a espiritualidade, pessoas que possuem gatos acreditam nisso, inclusive acreditam que eles pertençam à uma esfera diferente da nossa, por isso tenham um contato constante com esse mundo diferenciado, um amigo que possui gatos persa me disse que seu gato sabe quando ele está triste, um dia tinha brigado com a esposa e o gato se aproximou dele imediatamente como nunca tinha feito... De um jeito especial. Gatos nos encaram quando falamos com eles, e tem olhos absolutamente inteligentes, por isso olhe nos seus olhos quando falar com eles, o gato ao contrário dos cães, não perdeu sua identidade semi-selvagem ao lidar com a domesticação, independência e desprezo às coisas que não satisfaçam o seu instinto, ele nunca pertencerá somente ao dono, só se aproxima de acordo com sua vontade, seu comportamento será sempre libertário. O gato pode viver à margem de um lar, pois sua personalidade não se dá por espécie como os cães, mesmo um gato sendo menor que um homem, este tem 230 ossos, enquanto o homem tem 206, muitas pessoas pesam que gatos só comem e dormem, mas não é bem assim, os gatos cumprem missões em nossas vidas, assim como todos estes animais que nos cercam, alguns acreditam que os gatos acordados perambulando em nossas casas estão limpando as energias, e dormindo emanam elas para o universo, quem nunca viu um gato olhando para o nada? Bem, eles enxergam muito bem, podem visualizar bichos microscópicos que não conhecemos e ver os campos espirituais que duvidamos...  Algumas pessoas acreditam que gatos que miam em cantos da casa aparentemente sem motivo estão avisando a respeito das energias que ali precisam ser mudadas, mas as suas concepções pessoais também são válidas...


Então, ame seu gato, e os gatos de rua, o gato não tem maldade, tem instinto, e age em prol de sua sobrevivência, não tem nada de engraçado desrespeitar um gato chutando-o ou amarrando coisas no seu rabo, ou mesmo lançando-o de algum lugar para ver como ele pousa, eles são seres especiais que tem vida e sentimento e necessitam de nosso apoio para sobreviverem, e nosso carinho e compaixão para retirarmos todos os que pudermos das ruas...

O trabalho de algumas pessoas, divulguem! Precisamos de mais amor e compaixão:
*


*

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Uma questão de física

Hoje acordei super cedo... Tive um sonho estranho, e acordei sem saber se ainda estava ou não sonhando... Sabe quando você acorda meio estranhando o ambiente? Por que teve aquele sonho marcante? Foi meio assim que aconteceu... O que normalmente acontece depois é que a gente se esquece do que havia sonhado, porém comigo foi ao contrário, me lembro detalhadamente de tudo, sonhei que estava falando com um piloto de avião sobre o universo e falando sobre o espaço-tempo... Os anos-luz e um monte de outras coisas que eu li há um bom tempo no meu livro de física e no "O universo numa casca de noz" de Stephen Hawking... Eu não era nenhuma aluna brilhante em física, mas me saia melhor em física e matemática do que em química... Não tinha pra onde, não entrava na minha cabeça, o que as pontes de hidrogênio tinham a me dizer? Eu era louca pela revolução russa, idade média... A mitologia e a filosofia de tudo e eu não entendia o sentido de estudar tudo aquilo se pretendia ir pelas humanas... Foi assim que eu pensei... Mesmo assim sem desistir por completo, sempre fui questionadora, então fui atrás de questões que me inspirassem a estudar esses conteúdos, fui atrás de livros de física com teorias, e não cálculos... Pra que os cálculos fizessem mais sentido... Apesar de tudo sinto bastante falta dos meus professores, que foram uma segunda família pra mim e meus amigos... E eles eram brilhantes! No mínimo memoráveis. Eu fui pensando nisso... naquilo e fui deduzindo... O universo que esta ao meu redor é velho e num entanto continua eficiente... Há estrelas por aí há 5 anos-luz de distância... Ou seja, sua luz demora 5 anos para chegar aqui na terra... Então, a luz que vemos desta estrela é na verdade desta estrela como ela era há 5 anos atrás... Ou seja, hoje olho pra estrela de quando em 2007 entrei no Nóbrega para o ensino médio... Os anos se passaram porém a nova estrela que vejo me mostra o passado... E como é intrigante o universo... Como pode a luz ser desviada pelos buracos negros? E como pode um homem ter uma idéia ao atravessar a rua, esquecer, depois lembrar e revolucionar a física com a teoria dos buracos negros? Olhando pra essa complexidade de coisas fico pensativa... Fico imaginando o quanto tudo por aqui no universo demorou a se estruturar do jeito que está, o quanto cada estrutura foi dilacerada e testada pela natureza para determinar a existência das espécies que se adaptaram e hoje estão aqui diante de nós; eu fico pensando que as estruturas que me compõe são absolutamente velhas... E num entanto eu me sinto jovem...




Quanto pode viver um homem? Depende, o tempo vai dizendo até onde cada organismo aguenta, mas digamos que em média os homens vivem uns 80 anos... Uma estrela a 80 anos-luz após morrer só nos anuncia sua morte após os 80 anos terrestres até sua luz chegar por aqui pra dizer que ela se acabou... E nós vamos lamentar o que possa ter acontecido há 80 anos atrás... Mas nós temos tantas estrelas no céu... Que não nos faz diferença se esta ou aquela morreu... Porém durante 80 anos após a morte da estrela o que aconteceu por aqui pela terra? Muita coisa mudou? O que esse homem fez nos seus 80 anos de vida? Ele ajudou alguém? Ele chorou? Matou alguém, alguma coisa? Rezou? Riu? O ônibus que eu ando todos os dias daqui há uns 3 anos já é ultrapassado, o celular que eu tenho daqui há alguns meses será de matar de vergonha se eu quiser entrar na moda; todas essas estruturas, todas essas facetas que arrumamos pra não nos adaptarmos, tem um tempo de vida útil, num entanto alguns materias duram mais do que o tempo que eu posso viver por aqui... Um pedacinho de vidro partido vai existir por mais tempo do que eu poderia sonhar... Eu vou morrer, e meu pedacinho de vidro vai acompanhar meus herdeiros... E o que eles herdarão de mim? Eu vou morrer, você também, isso é fato, todos sabemos disso e vivemos de mansinho como se essa possibilidade não existisse por um tempo, pois "esquecemos" dela, e num entanto, há coisas que eu usei, que vou usar, que vão ficar, que vão continuar a poluir... Usamos tantas coisas sem necessidade como se depois que nós formos embora essas coisas também fossem com a gente... Mas não; elas nos acompanham... E depois seguem na vida de outras pessoas depois que a gente vai embora...

Fazem mais ou menos 16 anos que não uso fraudas descartáveis... Porém cada frauda que usei na minha vida vai existir por pelo menos 600 anos na natureza... É triste sim, é duro, mas é real... É assim que temos usado nosso tempo aqui... Todas essas coisas por mais inusitadas e malucas que sejam, vieram à minha mente às 6h da manhã do dia 05 de julho e me fizeram questionar o verdadeiro valor de certas coisas que nós pensamos que existem... Por isso, eu quero demais viver num mundo melhor, saudável e limpo, e desenvolvi com o tempo a consciência de que essa é uma idéia que eu tenho que plantar e fincar dentro de mim... E partilhar com as outras pessoas... Meu guardanapo que vai pro lixo não pode ser reciclado e eu somente imagino que me livrei dele quando jogo no lixo... Mas eu só estou perdurando o sofrimento dos seres marinhos e do meu próprio quando eu faço isso, estou unindo mais entulho a minha cota, porém estou lembrando disso hoje e torço pra que você também se lembre... De não acumular tanto entulho e deixar de criar destino pra tantas coisas que podem ser reaproveitadas... Algumas pessoas por aí dizem que o mundo não vai acabar por causa do aquecimento global e desastres climáticos... Mas se você não pode ter certeza que uma estrela morreu até a luz dela parar de chegar aqui e você se dar conta, então por que você deve agir como se os recursos naturais fossem inesgotáveis???



Há animais por aí ameaçados de extinção, há pessoas por aí que continuam esgotando recursos, para consumir, consumir... Há empresários por aí enriquecendo disso tudo e outros comprometidos com o o futuro... Então, estou depositando meu dinheirinho pra aqueles que tem alguma preocupação com a natureza sem fazer disso seu marketing e slogan  banal... E em prol de conscientizar o máximo de pessoas que puder... Estou em busca de idéias sustentáveis que possam ser revolucionárias para o dia a dia, então... Se você tiver alguma idéia por exemplo que dê pra substituir a maioria dos produtos de limpeza que não são biodegradáveis por favor vamos divulgar! Vamos formar essa corrente benigna e vencer esse desafio, vamos usar nosso tempo com utilidade e compaixão de todas essas estruturas que demoram tanto a se formar e dependem tanto de nossa piedade, solidariedade... E hoje da nossa ajuda... Vamos honrar o Sol de cada manhã! Cada dia de nossas vidas para acreditar num futuro melhor, um futuro possível... Se todo mundo fizer sua parte!

Vamos cuidar do nosso planeta terra, das nossas crianças... Temos que ajudar a todos por que são muitos, precisamos de mais, precisamos ir além, fazer um ciclo e dar continuidade a toda a obra... Que não pode parar!


Pois o tempo esta passando contra nós... Não podemos perder contra ele...

Hoje fui um pouco séria neste post... Mas se tratando da realidade que o assunto aborda, senti necessidade de levar com seriedade seu conteúdo... Agradeço a todo mundo que vem aqui com regularidade ou pelo menos de passagem que veio aqui e deu uma olhadinha, sei que você é um ser humano, possui fraquezas, dificuldades, brilhantismo e outras coisas mais, eu acredito em você, na sua capacidade, na sua criatividade, eu acredito em você e sei que você ser humano e capaz de reverter essa situação junto comigo então, abre espaço no teu dia e discute essas idéias com essas pessoas, não peço comentários por aqui nem nada, o que só desejo é que você tenha refletido e consiga levar adiante essa idéia... Eu ainda tenho tantas idéias na cabeça que não caberiam nesse post... Em breve vou gravar um vídeo e postar por aqui, falando abertamente sobre isso e todas as coisas que descobri que possam ser úteis pra todo mundo... No mais, enorme abraço pra vocês...

Abaixo o link de um vídeo que vi na escola há um tempo atrás com idéias revolucionárias!

A história das coisas

esse link aqui é de um post que fiz antes deste com o tema sustentabilidade!




segunda-feira, 4 de junho de 2012

Sustentabilidade - Por que você ouve tanto falar e não pratica?

Hoje eu estava caminhando alegremente pelas ruas do centro da cidade com o objetivo de ir trabalhar... Bem, tive até sorte pois o ônibus vinha para a parada no exato momento em que eu estava chegando nela, depois de correr bastante de ônibus em ônibus e perguntar se eles passavam no lugar que eu queria chegar, (somente para garantir que estava pegando a condução certa pra chegar no meu destino) e as pessoas pra quem perguntei não darem nenhuma resposta, eis que a senhora vendedora de água e pipocas me dá gentilmente a resposta que eu estava no lugar certo e ia pegar o ônibus certo que tinha acabado de parar... O ônibus não tinha nada demais, exceto pelo fato de todas as cadeiras serem altas e o corredor no meio ser bem definido, além de que a porta não era dessas portas duplas comuns, mas daquelas portas únicas como tem nos ônibus de viagem, por ser única a entrada era meio apertada; o esforço pra passar por uma dessas com todas as pessoas felizes e educadas que nós encontramos caminhando nas ruas equivale a uma passagem grátis a pé pela Av. Guararapes no meio do Galo da Madrugada quando se precisa urgentemente de um banheiro, químico ou não. Acontece que eu não me dei conta da previsão do tempo, mas foi rápido pra entender que especialmente hoje em Recife estava um calor insano, e me valendo do hábito eu estava com protetor solar, mas caramba! Como estava quente! Me sentei justamente do lado do Sol. E eis que no pique do motorista de sair não aparece nenhum vendedor de água maratonista suficiente pra pegar R$0,50 a tempo de devolver um copo de água gelado... O ônibus segue, e eu e todo mundo dentro desse ônibus suadíssimos e com sede ficamos meio tristes. Aqui na cidade dos mascates, eis que tem vendedor ambulante em todo lugar, inclusive fazendo quase um serviço de bordo nos ônibus e metrôs, é um verdadeiro comércio! O pessoal vende de tudo mesmo, capa de celular, porta-cartões, bolsas, uma coleção de vídeos de assombração e cobras gigantes em DVD, chocolates mais baratos do que você encontra no fiteiro e que tem a validade atrás, e eis que surge ele: O Vendedor de picolé! \o/ Bem, os picolés não tinham nada demais, o que a gente queria era sentir aquele gelinho, uma água pelo menos pra resfriar... Tipo, pague R$0,50 e pare de suar... Bum! Problema resolvido, o cara veio como um anjo, na hora certa! O único problema é que só tinha picolé, água nada... Mesmo assim ele vendeu todos, quem é que queria saber de que gosto era, um calor daqueles! Não tem como questionar... Aí eis que depois de consumir aquele picolé poderoso uma mulher na minha frente manda a embalagem janela a fora, e um outro rapazinho também, os picolés foram acabando e as embalagens iam sendo lançadas pela janela pouco a pouco, eu tinha acabado meu picolé bem antes e ainda estava com a embalagem cheia de doce na minha mão peguenta pensando em um lixeiro pra depositar meu entulho assim que descesse... Mas então vi que no ônibus tinha um lixeiro, não precisei me dar ao trabalho, simplesmente joguei lá e o problema foi resolvido... Uns dias anteriores a esse estava lendo num blog de uma colega sobre produtos alternativos para a substituição de fraldas e absorventes descartáveis, e isso me fez pensar muito mais nessa questão que tantas empresas hoje fazem propaganda.... A sustentabilidade! Como é séria essa questão...

Nossa vida moderna nos torna a cada dia menos necessários em nosso próprio meio social, e essa praticidade toda esta nos dominando, estamos saindo de casa para trabalhar para comprar coisas vitais e também coisas de que não precisamos; a tampa que se coloca sobre um copo de refrigerante que não se necessita para sequer conservar o líquido, só serve pra tampar e depois não vai servir mais pra nada... Tipo assim, não cabe em outro lugar, é como se fosse uma acessório, porque em casa você não toma refrigerante tampado por exemplo e não precisa de tampa pra saber que deve tomar cuidado pra não derramar, é plástico desnecessário para o consumo, por que não tem nenhuma finalidade útil e vai tudo pro lixo, sem a devida reciclagem... Um consumismo tão cultural e corriqueiro que em seu estado mais amplo algumas vezes se torna imperceptível... Não acredito na impossibilidade de algumas pessoas simplesmente na falta de um lixeiro guardar o seu lixinho dentro da bolsa ou qualquer outra coisa pra evitar entupir as ruas, se você mora em Recife ou qualquer outra cidade do Brasil sabe bem o quanto os telejornais falam sobre enchentes, ruas entupidas e coisas assim, e as pessoas que denunciam essas coisas fazem questão de informar que os canais estão entulhados de lixo, que as canaletas estão cheias de outras coisas além de água suja... Mas, da pra raciocinar? Será que você, o cidadão modelo não se lembra daquele lixinho diário que você joga da janela do ônibus... Daquele saco de pipoca de R$ 0,50 que você comprou quando o ônibus estava parado e depois de comer você jogou pela janela? E quantas outras coisas você continua jogando da janela do ônibus, do carro, de casa, do barco? Qual o direito de cidadão você pode exigir se você também não faz a sua parte? Acredito que algumas pessoas simplesmente não estão nem aí pra nada, mas mediante tantas propagandas em prol da natureza e conservação é necessário ao menos mudar essa visão e sair dessa vida de porquinho consumista que atazana tanto o globo terrestre e a camada de ozônio, lembre-se sempre que uma tampinha de garrafa. um canudo, uma palito de picolé influencia sua vida e a de todos os seres desse planeta, mesmo que você não acredite muitas dessas pequenas coisas podem fazer a diferença quando você menos espera... Se você quer rever suas atitudes é louvável que comece fazendo as pequenas coisas, as mais simples...




1. Separe o lixo seco do lixo úmido

Se você não tem total paciência ou dinheiro para compra umas 5 lixeiras diferentes pra separar seu lixo sabendo que não há coleta seletiva no seu bairro ao menos separe o seco do úmido, pelo menos fica mais fácil, e também pense, lixo também gera dinheiro apesar do valor dos recicláveis não ser tuuuuuuudo isso da pra tirar um dinheirinho legal, mas você quer o que? Vender seu lixo e ficar rico? Não dá né?

2. Economize dinheiro

Há um ditado oriental que diz "Nunca gaste todo seu dinheiro",então, é bem por aí, o pensamento é simples e a resposta é "sim" ou "não" antes de comprar pergunte-se "Eu realmente preciso disto?" "Vou usar isto por muito tempo?" Não precisando ou precisando, o que importa é que o ato de raciocinar já é louvável por si só.

3. Economize energia

Sua conta de luz vai diminuir, seu bolso agradecer e o mundo também, não precisa ser radical, mas se não esta usando, desligue, se vai passar o dia fora tire da tomada e assim por diante...

4. Economize água

Um vazamento, uma goteira, por mínimo que seja não se pode duvidar de quanto desperdício gera, então, se livre deles! Vai lavar o carro? Use balde, ou um daqueles jatos que aumentam a eficiência do uso da água se usar grandes quantidades, vai lavar a calçada...? Seja prático, não "varra"com a mangueira, use sua vassoura mágica e varra antes! Já ajuda! Se puder colete água da chuva pra esse tipo de serviço e use menos produtos químicos na limpeza...

5. Adiquira produtos biodegradáveis

Produtos como esse não agridem tanto o meio ambiente e se desintegram melhor na natureza

6. Use sacolas retornáveis

Pois as sacolas comuns são infernais! Literalmente... Vai fazer uma feira? Use um carrinho de compras... Desses dobráveis, evita até que você leve peso pois tem rodinhas, mas se de repente não tiver jeito, use o menos de sacolas possíveis...

7. Prefira refrigerante de garrafas de vidro...

Nem precisa salientar por que né??

8. Passe e lave suas roupas de uma vez só

Ou seja, estoque sua imundice antes de lavar e passar de pouquinho em pouquinho... Faça de uma vez, o consumo é menor e mais eficiente...

9. NÃO JOGUE óleo de cozinha na pia, no ralo, no inferno... Em qualquer lugar!

Você sabia que uma colher de sopa de óleo de cozinha seja lá de qual marca for inutiliza 10m³ de água? isso é igual à 10000L do mesmo líquido, ou seja com essa quantidade enchemos uma piscina, lavamos roupa, cozinhamos, tomamos banho, damos muitas descargas e outras coisas mais, ou seja, jogue uma colher de sopa de óleo no seu ralo e detone todas essas possibilidades!

10. Faça xixi no banho

Em média uma única descarga usa de 9L a 12L de água potável tratada para consumo só pra empurrar seus cartões de visita pra baixo... Se você aproveitar o momento relax do banho pra se aliviar vai realizar uma verdadeira obra de arte com a sua água, e o bolso agradece.





Filhote de Mico-Leão Dourado (Espécie ameaçada de extinção)












Enfim, faça sua parte gafanhoto, pois a vida do nosso planeta é um ciclo que precisa de atenção e amor...

Não se esqueça daquilo que você tem que fazer! Pois sua ação é SEMPRE importante!

quarta-feira, 30 de maio de 2012

A lenda do Girassol

Olá pessoas que gostam de histórias, gosto quando as pessoas comentam que leram este blog, sejam conhecidas ou não, é sempre bom ver que algumas pessoas já passaram por aqui; minha amiga de trabalho  Íris comentou recentemente que deu uma olhada no blog... E isso é um grande incentivo a atualizar esta minha empreitada por aqui... Algumas vezes minha vida de "jovem moderna" não me dá muito espaço para abrir o blog e atualizá-lo com frequência, o que eu acho uma pena, pois ando pelas ruas do Recife e diversas idéias loucas me martelam na cabeça e nem sempre tenho como anotá-las ou sequer lembrá-las para repassar pra vocês de alguma forma por aqui, é um alegria imensa meus cavaleiros, voltar nem que seja um pouquinho aos tempos de escritora, em que eu escrevi livros bem fora do comum, que nunca publiquei em canto nenhum e que se perderam no meu computador antigo... Apesar de que as informações essenciais ainda estejam na minha mente com uma vontade enorme de serem registradas novamente... Quem sabe ao vivo, passo a passo aqui no blog mesmo... mas deixando de enrolação e partindo pra dividir com vocês uma pequena história que eu li quando tinha uns 11 anos, uma pequena história contada dentro de outra história por uma menina, personagem de um livro que tinha a mesma idade que eu na época... O livro é de Ganymédes José, um altor que mudou minha forma de pensar, o nome do livro é "Um girassol na Janela" e a menina se chamava Viviane, mas era mais conhecida pelo seu apelido "Vivinha", era uma criança prodígio, cheia de imaginação e bondade e capaz de mudar as coisas ao seu redor com sua criatividade para inventar histórias... No meio dessa história eis que ela solta essa, não sei se realmente se faz parte da mitologia grega, creio que não, mas como eu sei que vocês  devem amar essas coisas como eu, é uma boa história pra se contar por aqui... E aí vai essa história pra você Íris, e pras outras pessoas que gostam de história... Nessa história Íris é uma "vilã" mas ela é o oposto de você! Por favor não entenda mal, até por que Íris na mitologia estava associada a Hermes como mensageira dos deuses para os homens, e é mencionada como uma donzela com asas de ouro que se move com a leveza do vento de um lado para o outro nas profundezas do oceano e no mundo subterrâneo... A mensageira de Hera, a ponte que liga o mundo mortal com o imortal multicolorido... Enfim, espero que tenha entendido! :)




Ei, você sabe qual o nome científico do girassol??? Bem, é Helianthus annuus, é feio? Nem tanto, mas pra entender um pouco dessa história você tem que saber esse nomezinho aí, bem, acontece que o deus Hélio, deus do sol e da música da mitologia grega, todas as manhãs era despertado por um galo de ouro em seu palácio, assim que despertava ele saia em sua carruagem arrastando a bola de fogo que chamamos "Sol" pelos céus cruzando a terra e os oceanos até chegar ao outro lado e ser carregado por um navio e levado ao outro lado do Olimpo e repousar para fazer tudo outra vez no dia seguinte, ele também tinha duas irmãs, Selene a deusa lua e Alvorada que estendia colchas coloridas no céu para seu irmão sair com a carruagem, guiando ele em meio a escuridão, acontece que num desses passeios de Hélio sobre o mar ele viu uma nereida e por ela se apaixonou e a nereida por ele também, porém a nereida era prometida em casamento para outro ser, e depois de algum tempo do amor escondido eles tiveram um filho, a quem a nereida deu o nome de Helianto; logo foram descobertos pelo velho Nereu, o pai dela; e então a nereida foi condenada por seu ele a viver para sempre aprisionada numa caverna de safira no fundo do mar com a criança. Sem saber o que havia acontecido, Hélio acreditou que eles haviam morrido, logo depois de muitos rumores e fofocas chegou a Alvorada a história de uma criança que vivia presa no fundo do mar; com pena do menino, Alvorada o libertou e o criou em seu palácio, ensinou ao menino como tecer coxas para estender no céu antes da saída de Hélio, e assim Helianto se criou no palácio de Hélio sem saber a identidade de seu pai e sem seu pai saber da existência dele, Helianto aprendeu com Alvorada a fazer das coxas mais fáceis as mais difíceis, entre as mais difíceis estavam as amarelas, que tinham um material sofisticado para se captar e fabricar, entre eles os raios de Sol que eram complicados e arriscados de conseguir.




 Um dia Alvorada  foi fazer uma viagem para recolher alguns materiais raros para fabricar coxas nunca vistas antes, e deixou com Helianto a responsabilidade de cuidar de suas coxas, e então em meio a uma distração de Helianto que tecia cuidadosamente uma coxa, eis que a deusa Íris rouba algumas coxas coloridas e faz um arco com elas, e após a chuva a mesma coloca no céu o arco e chama todos os deuses para ver a obra que dizia ser de sua autoria; logo a tempo de Alvorada chegar de sua viagem e reconhecer a coxas e acusar Íris de ladra em meio aos deuses, e para assim se livrar da culpa a deusa Íris muito esperta declara que na verdade as coxas foram vendidas pra ela por Helianto, o menino sem conseguir se explicar é expulso pela tia Alvorada do Olimpo e condenado a viver entre os mortais para sentir o frio e o amargor da vida terrestre, Helianto, na esperança de ser perdoado pela tia, continuou arriscando sua agora vida mortal atrás de materiais para tecer as mais difíceis coxas amarelas, mas sua tia nunca o perdoou  e em meio a tantas coxas Helianto não sabia o que fazer, então viu um favo de abelha que havia caído de uma árvore e resolveu juntar toda a coxa e espetá-la no favo, e assim distraidamente criou uma flor, que chamou Helianthus, e assim passou a morar dentro dela em busca de novas alegrias...

Esta é uma lembrança de um dos melhores livros que li na vida, e como toda lembrança alguns detalhes podem não ser exatamente os mesmo ou algumas coisas não estarem escritas como deveriam, eu tinha 11 anos, já faz muito tempo que li... Mas é uma beleza, então se você quiser ler essa parte exatamente como esta escrito sugiro então que você clique aqui e vá até o 2º capítulo, ou seja, "A flor" e leia-o todinho...

Estou voltando pra vocês... Tenham calma!









quinta-feira, 12 de abril de 2012

Memórias de uma Gueixa

Passando com rápida correria meus nobres senhores, para falar sobre este livro encantandor, ainda não o finalizei, mas até onde li esta realmente emocionante... Nas memórias de Chiyo até Chiyo virar Sayuri uma grande viagem prepara você, é um livro que fala de diversos temas sociais relacionados, amor, preconceito, sociedade, escravidão, sexualidade, venda de pessoas, destino, I Ching, e tantos outros dos fatos corriqueiros da vida de uma pessoa comum... A vida como ela é, porém com algum romantismo... Tudo começa com a saída da menina de sua aldeia para viver em uma Okiya, ou seja, uma casa de gueixas, a menina de olhos acinzentados perde o contato com sua família e tem seu destino regrado pela sorte, ao mesmo tempo em que recebe um tratamento difícil dado por Hatsumomo, a gueixa da Okiya, a vida de Chiyo é afetada pelo vazio, saudade e uma mágoa e tristezas sem fim, até ela descobrir em sua beleza natural a chance de se sobressair diante de suas dívidas e dissabores da vida...

O livro de Arthur Golden da Editora Imago aborda bastante informações sobre a cultura japonesa como por exemplo o ritual do chá e até algumas delicadas comparações com a vida dos ocidentais... Se você gosta de narrações emocionantes este vale muito a pena... Fazia algum tempo que eu não lia um livro com que conseguisse chorar e rir ao mesmo tempo... Eu ainda não o concluí, mas assim que terminar estarei comentando a respeito...





Bem, divulguem esse livro! Pra quem gosta de cultura japonesa com certeza vai apreciar todo o mar de informações úteis sobre a terra do Sol nascente!










quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Idade Média Parte III


Finalmente! \o/

Bem pessoas, desculpem o atraso, infelizmente internet não capta sinal de fumaça... O código binário ultilizado nos envios de informações não lê as partículas de cinzas! Estou com saudades de escrever, por isso vocês podem se preparar pois vai rolar muita informação dessa vez, faço questão de postar informações interessante e importantes aqui, e tenho medo de passar informações distorcidas da realidade, por isso, pra mim qualquer contribuição é infinitamente importante, então sempre resalto: qualquer coisa mandem um e-mail! Vejam o twitter também: @CMariliaCostaR ou Face: Cynthia Rodrigues

Bem, finalmente chegamos ao terceiro e último post sobre a Idade Média, espero que você possa ter entrado no mundo dos bardos com sua visão mágica que possibilita sua presença em meu blog e dá uma melhor visão sobre a realidade que os povos antes de nós tiveram dentro de suas sociedades e suas casas, espero sinceramente que você tenha curtido essa idéia e viajado comigo a esse outro universo encantador, pode crer que esta não será a última vez que falarei deste assunto por aqui, será mencionado outras vezes em outros posts, claro, porém resolvi primeiramente falar exclusivamente do assunto dando algumas menções em outras coisas, afinal, trata-se de história das sociedades passadas! Para que você camponês, elfo ou seja lá o que for possa assimilar, antes de tudo, os fatos reais da Era das Trevas! Espero que você tenha se divertido gafanhoto, agradesso sua companhia neste post e nos outros, caso tenha perdido os outros aí vão os links:

Idade Média Parte I

Idade Média Parte II

Caso queira inclusive jogar um jogo tipo The Sims e simular sua vida na idade média, você pode entrar neste site, do jogo Second Life que oferece diversas possibilidades, ou mesmo deixar o aplicativo no facebook para o jogo CastleVille! Recomendo!!! Muito Bom! *.*

Bem, vamos falar um pouco sobre casamentos na idade a média?! Pois bem cavaleiro, eu também gostaria que os contos de fada fossem realidade, mas os casamentos nem sempre eram tudo isso que lemos nos livros, as mulheres nesse passado remoto eram basicamente mercadorias e sua saída final era um casamento com algum lord ou coisa assim, vale resaltar que casamentos sempre existiram em praticamente todas as sociedades e culturas em todas as épocas e civilizações.



Pra você entender com praticidade o assunto esqueça a imagem dos casais apaixonados que vemos nas novelas, amar assim na verdade é uma coisa moderna... Morrer de amor é coisa do século XIX, uma verdadeira moda! Vamos fazer um tour no significado do casamento para as antigas sociedades e ver as outras possibilidades...

Nas sociedades antigas o casamento era uma forma de manter uma linha sucessória e garantir o direito a propriedade, era uma forma inclusive de preservação da espécie para o homem primitivo, diga-se dessa forma considerando os fatores de periculosidade em que vivia o cidadão dessa época para o homem moderno, mas fala sério, a questão de periculosidade que consideramos advem dos costumes modernos que temos, devido a modernização de nossas formas de vida nos tornamos mais do que vuneráveis à natureza, mais do que dependentes, somos como um feto ou um recém-nascido se ficarmos sozinhos numa floresta, e é uma pena que algumas pessoas não lamentem a degradação do espaço natural terrestre, o homem moderno em busca do lucro imediato tem afetado as espécies naturais e ameaçado inclusive a sua própia!

Nos tempos primordiais o homem entendia a necessidade de procriação, como disse, como uma forma de preservação da espécie, logo seu objeto de adoração era tudo aquilo que tinha como fértil, tudo aquilo que considerava como procriador, então a presença e adoração do masculino e feminino era algo fundamental em suas crenças primitivas, nesta época sem estudo científico o homem considerava que a mulher concebia um filho sozinha, sendo então a mulher geradora de vida era adorada e valorizada em seu meio social e as famílias eram organizadas numa linhagem matriarcal. Ainda no objetivo de preservar a espécie um homem podia inclusive ter muitas mulheres, então a poligamia era uma coisa comum nas antigas sociedades, e uma mulher ter muitos parceiros também não era muito incomum. Então veio a idade média e a festa da procriação não era mais o centro pelo qual duas pessoas se uniam, as sociedades possuiam um casamento mais do que plátificado dentro das questões econômicas das famílias dos noivos, fora isso a vida entre quatro paredes ficou muito mais recatada por causa da influência da igreja católica.


O Casal Arnolfini de Jan van Eyck

No mundo ocidental tudo que estivesse relacionado ao sexo com excessão da procriação era considerado pecado, até pensar no assunto era proibido! Só quem realmente se dava bem era o senhor feudal: além de colocar um cinto de castidade na sua esposa ele poderia ter relações sexuais com qualquer noiva do feudo na primeira noite do casamento dela. A anatomia não evoluiu muito na idade média devido a repugnância que ganhou os estudos científicos diante da supervalorização da religião cristã, mas apesar disso os conhecimentos técnicos para evitar o sexo sim! Não há um concesso entre os historiadores quanto a invenção do cinto de castidade, mas acredita-se que o modelo mais antigo seja o de Bellifortis, de 1405. Feito de metal, ele tinha aberturas farpadas que permitiam urinar, mas não copular. Também foi inventada a infibulação, técnica de costura da vagina para garantir a fidelidade da mulher ao senhor feudal enquanto este viajava.

A datação tradicional da Idade Média vai de 476, queda do Império Romano do Ocidente, a 1453, queda de Constantinopla. Já no oriente e em países asiáticos a visão era mais liberal, os homens asiáticos podiam ter quantas mulheres quisessem desde que pudessem sustentar todas. Porém, o segundo casamento teria que ter a aprovação da primeira esposa, isso era uma forma de garantir que a mulher não ficasse sozinha e desamparada.

O casamento monogâmico é um parâmetro dos primórdios da cultura judaico-cristã, porém mesmo assim, durante séculos, os homens puderam exercer o concubinato em paralelo ao casamento sob o pretexto de garantir herdeiros. A monogamia matrimonial só passou a ser adotada de fato na Idade Média, com a ajuda da igreja católica, que ganhou impulso quando a o casamento passou a ser considerado como santo sacramento a partir do século XII. Uma tentativa de disciplinar o comportamento sexual das pessoas dessa época.

Rainha Vitória


Hoje casamento é símbolo de vestido branco e troca de alianças, mas esse modelo de casamento é recente, definiu-se no século XIX, graças à Rainha Vitória, da Inglaterra, conhecida pelo puritanismo, foi depois de seu casamento que as noivas passaram a subir o altar vestidas de branco, simbolizando pureza.



Em questão da paquera nessa época no século XII surgiu o amor cortês. na corte o cavaleiro levava o lenço da mulher amada, mas era um amor platônico e infeliz - como a união se dava por interesses econômicos a dama e o cavalheiro quase nunca ficavam juntos, os noivos arranjados muitas vezes só se conheciam por retratos pintados a óleo. Quanto as posições sexuais meu(minha) caro(a) leitor(a) somente uma era permitida pela igreja: a posição missionária, mais conhecida hoje como papai-e-mamãe, esse nome "missonária" se dava pelos missionários tentarem difundí-las em locais que tinham outras práticas. Para os cristãos ela é a única posição apropiada porque , segundo São Paulo, a mulher deve surjeitar-se ao marido. O recato quanto as relações era tão grande que nas residências de alguns cidadões tradicionais as relações sexuais se davam pela mulher coberta com um lençol com um furo no meio! A família da noiva que podia casar logo após a segunda menstruação, pagava um dote(dinheiro ou bens) à família do noivo, que tinha geralmente entre 16 e 18 anos. mas havia proibições, claro: O papa Gregório I proibiu o casório entre primos de terceiro grau, e Gregório III proibiu a união de parentes de até sexto grau!

Para desincentivar o prazer sexual solitário, surgiram nessa época o mito de que os meninos ficavam com espinhas ou calo nas mãos caso se masturbassem. Se uma menina se tocasse estava, na verdade, ou tendo um encontro com Satã ou teria sido enfeitiçada por bruxas. A paranóia era tão grande que muitos tomavam banho vestidos, pois até mesmo o banho era considerado algo libidinoso.

A relação homossexual era considerada sodomia e também crime com pena de morte, além de considerada heresia pela igreja - os homossexuais podiam ser queimados nas fogueiras, no oriente era aceito, mas na surdina - Por exemplo, em exércitos em guerra, era preferível a relação entre soldados do que recorrer a prostitutas

Como os homens não podiam ter prazer com suas mulheres, com que se relacionavam com o intuito de procriação, a procura por prostitutas era grande. Ao mesmo tempo que, não muito diferente da realidade atual, eram malvistas pela igreja e pela sociedade, as profissionais do sexo tinham que doar metade de seus lucros ao clero - foi o que instituiu o papa Clemente II (1046-1047)

 Segundo a suma teológica de são Tomás de Aquino, documento escrito de 1265 a 1273, havia dois tipos de pecado pela luxúria:
- Pecado contra a razão
Fornicação e adultério, por exemplo
- Pecado contra a natureza
Os pecados que vão de encontro a ordem natural e fundamento para a existência do ato sexual.
Aí se incluem mastubação com animais, homossexualidade e a prática antinatural do coito. Leia-se: não podia ser feito sexo em orifícios não naturais (boca e ânus), mesmo que fosse entre marido e mulher!

Enfim, depois de toda esse assunto realmente pecaminoso, vamos começar a rumar para outras terras Cavaleiros... 







quarta-feira, 20 de julho de 2011

Idade Média Parte II

Bem cavaleiros, estou de volta com nossa programação! Desculpem a demora, mas perdi um amigo de escola, que andava comigo e meus amigos, com quem sempre estou saindo e mantendo contato, o nome dele era Braulio, e ele só tinha 21 anos, sofreu um acidente e infelizmente não aguentou, bem, pensei bastante sobre isso por muito dias, simplismente não pensava em outra coisa, afinal, quando a gente tem alguém com uma enfermidade há um tempo, já nos conformamos mais ainda com  a situação, mas quando é de repente...
A coisa muda de figura... Assim como Braulio, existem muitos garotos e garotas por aí que você deve conhecer que tem uma alma de guerreiro, ele era filho único e tinha muitos objetivos na vida, objetivos estes que neste momento já não são tão importantes neste plano, Braulio sofreu muito na vida, apesar disso ele era um cara extremamente alegre, sempre cabeça pra cima, sempre cheio de objetivos e sempre esforçado... Tinha uma namorada há uns 4 anos que tem a minha idade da qual sou bastante amiga... E que por isso se estamos falando da época dos cavaleiros vou lembrar sempre dele que teve uma existência curta, mas que foi alguém com quem vivi junto com os outros muitas aventuras... Por isso, quero prestar uma homenagem à ele e a Jennifer e dizer para meus amigos, Rodrigo, Rafa, Tiago, Yago, Luan, Vinícius, Victória, Welton, Bianca e Tia Antonieta principalmente uma frase do pequeno príncipe:


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós". (Pequeno Príncipe)

Tia Anonieta, não quero vê-la sofrer, a vida é um ciclo, acredite! As provações existem, não há recado que possa ser deixado ou palavras que sejam ditas para consolá-la, porém tenho certeza que ele sofre muito mais vendo-a sofrendo, é dolorido, mas o tempo passa, passa para curar, ou pelo menos consolar aquilo que sentimos por não conseguir momentâneamente vê-lo nesta existência, mas lembre-se de Braulio com alegria, e das brincadeiras que ele sempre teve, pois tenho certeza que ele se conformará mais cedo e poderá seguir em paz o espiral da vida!

Garotos,  Sempre amarei vocês! Eterno JF !



Se você não leu a Idade Média Parte I Clique Aqui!
 
Mas voltando há questão histórica...


Bem, creio que tenha parado no momento em que coloram fogo nas fogueiras! Ui! Então coloquemos fogo também nas mentiras que contaram e você acreditou! LITERALMENTE! No passado remoto como havia dito existia o Tribunal do Santo Ofício, ou seja, a Inquisição, que "condenava os hereges e livrava os bons cristãos do diabo", o mesmo faziam testes para provar a sobrenaturalidade de uma possível bruxa, esses testes vinham a ser feitos por meio da guia de um livro chamado Malleus Maleficarum ou O Martelo das Feiticeiras do latim, se você acha que a Segunda guerra mundial foi uma chacina, penso que essa época da inquisição é a época de horror histórica mais semelhante à mesma,  sinceramente,  o Malleus Maleficarum foi publicado em 1487(A data de 1487 é geralmente aceita como a data de publicação, ainda que edições mais antigas da obra tenham sido produzidas em 1485 ou 1486) e era basicamente um manual contra a heresia, o livro estava dividido em três partes: A primeira ensinava os juízes como reconhecer bruxas além dos seus disfarces, a segunda classificava os malefícios, o que eles causavam, sua classificação, denominações e etc, uma verdadeira enciclopédia, e a terceira parte ultilizava-se das "regras legais" para levá-las à condenação, demonstrando como inquirí-las e acusá-las...
Este foi o livro mais importante em termos de instituir Herich Kraemer e James Sprenger. Os autores fundamentavam as premissas do livro com base na bula Summis desiderantes, emitida pelo Papa Inocêncio VIII em 5 de dezembro de 1484, o principal documento papal sobre a bruxaria.
O livro foi apresentado por Kraemer e Sprenger na Faculdade Teologia da Universidade de Colônia(Alemanha) em 8 de maio de 1487, onde foi condenado pelo clero do local, tanto ilegal quanto antiético.
A igreja proibibiu o livro logo depois de sua publicação, colocando numa lista conhecida como: Index Librorum Prohibitorum,  mesmo assim entre 1487 e 1520 a obra foi publicada 13 vezes sendo tão popular que chegou a vender mais que qualquer livro, com a excessão da própia Bíblia.


Quando a inquisição foi instaurada no século XIII, a príncipio, só perseguia uns pobres coitados que tinham inimigos espíritos de porco, mas basicamente a inquisição era um bom negócio, quem denunciava, ganhava metade dos bens do acusado e a o outra metade ia pra Igreja. No século XV, o rei e a rainha da Espanha viram o potencial desse negócio e resolveram perseguir os judeus, que tinham mais dinheiro que todo mundo. E assim ia todo mundo pra fogueira, pra roda, pro chicote, ou qualquer maleficamente criativa que passasse pela cabeça de um sádico. Padres que discordavam de com algum dogma ou desrespeitasse algum superior também poderiam ir para à fogueira!
O poder da inquisição cresceu até ir atrás de nobres, reis, cientistas, burgueses, filósofos e qualquer importante personalidade da sociedade da época que pudesse ser encaixada numa enorme lista de crimes contra Deus e a Igreja
As bruxas eram basicamente as parteiras e curandeiras, as mulheres que herdaram o conhecimento da passagem das estações, das ervas, dos rios e da Lua. Vindas da cultura celta, adoram o novo regime de Deus único, mas mantiveram sua magia e sua sabedoria. Em um momento muito nefasto da história da humanidade, elas se tornaram incômodas demais e portanto, precisavam ser eliminadas.
Armou-se uma verdadeira campanha de como servir ao demônio era o maior dos pecados. Sendo assim, qualquer coisa que não viesse de Deus, entregue por um anjo ou um de seus representantes, ou seja,

qualquer membro do clero era coisa do demônio!
Como foi dito antes, a inquisição era um bom negócio. Livre-se do seu inimigo, ganhe metade dos lucros dele e ainda pose de herói por livrar o mundo de uma pessoa indesejável, além de proporcionar uma conversa para o resto do ano...

Na idade média surgiu a imagemda "Bruxa má", com seus Sabás com orgias com os seres da noite, essa deturpação continua até hoje, onde pessoas sem a menor noção de karma ou senso de caráter mantêm o poder sobre um povo ingnorante através do medo do Lúcio sem fé.

Por isso, faço minhas as palavras de Eddie Van Feu: "Hoje, sabemos um pouquinho mais do que naquela época. Quer dizer, alguns de nós se atrevem a olhar atrás da cerca e dar uns passinhos além do nosso quintal. Muitos ainda estão presos na Idade Média a nível de mentalidade. Não faltam relatos de perseguições a bruxas e a judeus pelo mundo e pela história moderna como um meio de fazer as pazes com Deus. Pessoas muito religiosas, daquelas que vão a missa toda semana, catam e dão esmolas aos pobres, ainda estão cheias de idéias equivocadas sobre um monte de coisas, fazendo julgamentos e espalhando ódio e intolerância, acreditando estar "a serviço de Deus".

Os grilhões daqueles tempos ainda predem muitas cabecinhas! Chega a ser assustador! Hoje, sabemos que a peste não foi exatamente um castigo divino, mas resultado da ignorância.

Caminho por muitas trilhas, conheço muitas pessoas, isso faz parte do meu aprendizado e percebo que muitas pessoas em muitas religiões é aberta e feliz, equilibrada e iluminada. Da mesma forma, percebo "travas" religiosas na grande maioria das pessoas que segue uma religião, especialmente as cristãs - geralmente, a mesma religião da família, ou seja, uma religião que não foi escolhida pela pessoa. Essas travas podem começar inofensivas, mas se não forem retiradas, a pessoa tende a se tornar uma fanática, o famoso "leitor de um livro só". Ela terá apenas um ponto de vista (o seu), um senso de justiça (o seu) e nenhuma empatia, pois não compreenderá ninguém que esteja fora de eu clube. Muitas se tornam arrogantes, achando-se as únicas merecedoras da atenção de Deus e acreditando que um raio há de cair nos infiéis que não vêem SUA verdade. Outras, se tornam deprimidas, pois apesar de realizarem os cânticos, fazerem suas orações, rezarem o terço e fazerem tudo que é mandado, o vazio dentro delas continua a crescer... Algumas, ainda, vivem com medo de desagradar a Deus, e tamponam sentimentos puramente humanos, que são considerados "maus".

Vamos por partes (como Jack o estripador). Não existe uma única religião cujos seguidores serão todos salvos. NENHUMA!  Nunca existiu, jamais existirá, (Sempre alguém sai da linha, lembrando que religião é criação humana) Considera-se nesses termos que ser salvo é ir para o paraíso, tocar harpa numa nuvem ou ficar ao lado de Deus num céu lindo onde todos vivem sem preconceitos, com justiça e amor, equilíbrio e fraternidade, saúde e beleza, conhecimento e sabedoria, ou seja, a plena felicidade eterna. Este lugar idílico poderia ser aqui! Mas muitas pessoas teriam que abrir mão dos seus preconceitos, aceitar que o amor é o maior de todos os títulos, classes e crenças, para de julgar, buscar o equilíbrio, aprender que somos um e que a fraternidade não se limite a ajudar apenas os seus, viver em equilíbrio o que curaria todas as doenças e daria a natural beleza, que nada mais é do que a manifestação física da harmonia, abrir-se para o conhecimento e cultivar a sabedoria. Se sua religião não ensina isso AQUI, ou pior, proíbe qualquer uma dessas coisas, tá na hora de rever seus valores...
Cientificamente hoje sabemos que a peste, tão temida, teria sido evitada se aquela gente porca tomasse banho. Misticamente, sabemos que foi um ônibus que passou para a renovação necessária. De tempos em tempos, um "ônibus passa" e leva uma galera para um tipo de reajuste. Pode ser uma grande guerra, uma praga ou uma catástrofe natural. Tudo faz parte do plano divino e das nossas escolhas(porque estão intimamente ligados). Hoje também, sabemos que há muito mais entre o céu e a terra do que imaginamos por tanto tempo, assim como sabemos que a terra não é chata como um prato, mas redonda, e cheia de infinitas possibilidades.

A diferença daquela época para a de hoje é o conhecimento de que somos todos um e que a educação e gentileza não é um luxo, mas uma atitude necessária em qualquer área da vida, nesta ou em outro mundo.

Outra diferença é nosso conhecimento de que nem tudo é o que parece. O inferno, tal como foi pintado, não é eterno, como nos disseram. Esta vida não é nossa única chance de fazer a coisa certa. E usar a inteligência e raciocínio nunca foi pecado, especialmente se utilizados para crescer e evoluir. Hoje sabemos que o objetivo de tudo não é comprar um terreno no céu, mas nos tornamos seres cada vez melhores, cada vez mais amorosos, mais corajosos e mais sábios, até termos a honra de podermos ajudar nossos irmãos.

E hoje também lembramos de uma antiga verdade dos povos do passado: nossos irmãos não se limitam a nossos familiares, vizinhos e amigos. Também vão além dos desconhecidos. Nossos irmãos também são os bandidos, estupradores, cães, gatos, as árvores, os pássaros, os mares, os espíritos que já se foram, os espíritos da natureza,
enfim, tudo que foi criado, e parte da criação, como eu e você. Eu sei o quanto é difícil encarar tudo o que existe como parte de nós, com amor, e justamente por isso, muito pouca gente alcança o nível de grande avatares como Jesus e Buda, alcançaram. Lembre-se também de que o amor não é ignorar o erro. Amor é justamente ao contrário:  encontrar o erro e tentar ajudar a corrigí-lo. E fazer isso com amor é que são elas...

Por hora, alegre-se com o simples fato de olhar pra trás e ver que, se a maioria das pessoas do mundo condena hoje um ato de violência e injustiça, já evoluímos um bocado. A diversão de Roma era cristão ser almoço de leão. A diversão de cristãos era ver gente pegando fogo depois de torturar bastante. A diversão de alguns senhores de escravos era torturar e ver sofrimento. Se você hoje acha tudo isso vergonhoso, você faz parte da maioria. Ainda há a China , esfolando animais vivos para fazer casacos de pele. Ainda há gente com poder no Norte e Nordeste do Brasil que não vê problema nenhum em comprar crianças de cinco, sete ou dez anos, meninas ou meninos, para serem usados de objeto sexual. Ainda há famílias que sabem disso, mas vendem assim mesmo. O que estou querendo dizer é que ainda há muita gente equivocada no mundo todo... Mas acredite. Eles não são maioria. Não mais".



Ufa! Bem, ainda vou abordar outras coisas aqui na  Parte III desse post, como casamentos, lendas, folclore e etc... Então cavaleiro, deixe dessa vez sua armadura brilhando, pois as donzelas estão aguardando o seu pedido de casamento... Nessa próxima estrada, vamos encarar os príncipes, camponesas, bardos e tudo o mais! E caso queira viajar mais e mais... Escute uma música ou veja um filme da época, pra entrar no clima Romântico recomendo que assiste "Tristão e Isolda" ... Mas enfim, depois nos falamos mais gafanhoto até a próxima, breve dessa vez, prometo!!! Deixe um comentário!^^